::: ROTA X - Moto Clube :::
Aniversariantes
Associe-se
Balancetes
BOLETO ROTA X
Classificados
Distâncias
Diversos
Enquetes
Eventos
Facções
Fotos
Histórias
Hino Rotax
Integrantes
Links
Motoclubes
Mural
Notícias
Passeios
Regimento Interno
Relatos
Textos
Vídeos
 
  logo site Solidario.org.br

 
 
 


Clique no titulo da notícia para ver o conteúdo.


12/11/2011 - MULHER MOTOCICLÍSTA

HOMENAGEM À MULHER MOTOCICLISTA


 


27/07/2011 – Dia do Motociclista


Sergio Furtado


MC Bodes do Asfalto – MCBDA


Niterói, qualidade de vida no RJ.


 


 


Foi-se o tempo, no qual as mulheres eram coadjuvantes na estrutura social, ocupando, com raras exceções, apenas um lugar, intitulado “Dona-de-Casa”.


O pós-guerra trouxe a necessidade de toda a mão-de-obra disponível, incluindo a feminina, para a reconstrução do mundo. E, nesse contexto, elas responderam bravamente, assustando os homens, que assistiam estupefatos a desenvoltura e o empenho de quem tinha as responsabilidades restritas da administração da casa e o cuidar dos filhos. Foi, então, que surgiram as despojadas MULHERES MOTOCICLISTAS, que além de acumular os cargos, com os encargos, de donas-de-casa e trabalhadoras produtivas, ainda arrojaram-se no seleto e exclusivo círculo motociclístico masculino. E, novamente, elas surpreenderam os homens de visão e mente aberta da época.


No árduo caminho da busca por um lugar ao sol, que perdura até hoje, as mulheres estão conseguindo ocupar, brilhantemente, as cadeiras mais importantes da estrutura social e hoje as vemos exercendo autoridade como donas-de-casa, juízas, militares, policiais, profissionais liberais, empresárias e em todos os ramos produtivos da riqueza das nações.


Mas, como não poderia deixar de ser, estamos assistindo, maravilhados, as mulheres participando ativamente do motociclismo, engajadas nos Motoclubes, Motogrupos ou Independentes, confiantes e graciosamente acomodadas nas garupas das motocicletas e triciclos, ou pilotando-as com segurança, além de exercerem posições de direção ou atividades de apoio nos mesmos. Vale ressaltar que, com suas maravilhosas tatuagens, botas imponentes, adornos singelos, indumentárias harmoniosas e semblantes angelicais, trazem graça e beleza ao Motociclismo de Lazer.


PARABÉNS, COM LOUVOR, a vocês, MULHERES MOTOCICLISTAS, nossas companheiras de estradas, encontros e atividades em duas rodas e triciclos exuberantes. Parabéns, ainda, aos MOTOCLUBES FEMININOS, que esperamos sejam muitos, dentro em breve.


Grande e fraternal abraço a todas.


Sergio Furtado - MCBDA


Niterói, qualidade de vida no RJ.

17/10/2011 - VOCÊ É MOTOCICLISTA OU ESTÁ DE PASSAGEM?

Viajar de moto é uma das experiências mais fascinantes que se pode ter nessa
vida. Quem não tem o coração de motociclista provavelmente nunca
entenderá o porque.

Mas até mesmo eu, às vezes, fico me perguntando, afinal, por que é tão bom assim?

Não tenho respostas, só alguns pensamentos.

Em primeiro lugar, viajar de moto evoca sentimentos de tempos e realidades
muito distantes de nós; é como se nos transportássemos para outra época
e, de repente, lá estamos nós com nossa armadura, baixando a viseira de
nosso elmo, preparados para uma missão distante e desafiadora.

No fundo, mesmo que isso pareça meio estranho, todo motociclista se sente
como um guerreiro, deixando a segurança e o conforto de sua casa para ir
adiante, desbravar territórios e vencer desafios.

Também existe um sentimento quase místico, como se estivéssemos saindo de nossa
própria vida, vendo o que há lá fora. Viajar de moto é estar em
movimento, é deixar a monotonia. A casa, o trabalho, nossa cidade, tudo
fica para trás e seguimos adiante rumo ao desconhecido, mesmo que seja
apenas a cidadezinha turística 100km distante.

Viajar de moto também nos coloca em contato com uma outra vivência de relacionamentos
que rompe com os paradigmas da vida moderna. Não há chefe, nem
subordinados e clientes, apenas amigos, companheiros. E nenhum deles é
melhor do que o outro, ninguém está competindo, somente compartilhando.

Há também uma intensa ligação com o campo do conhecimento. Todas as
matérias estudadas em uma sala de aula são experimentadas, mas de uma
forma muito diferente da que qualquer professor conseguiu nos
proporcionar. A matemática está alí o tempo todo: são retas, curvas,
tangências, ângulos, 100, 120, 140km/h..., melhor parar por aqui. A
física então, nem se fala: inércia, aceleração, movimentos retilíneos
uniformes (ou não), calor, frio, velocidade do vento; porque isso não
parecia interessante na sala de aula?

A prática é muito melhor, intensa e verdadeira que a teoria.
A geografia e a biologia também são matérias sempre presentes em vales,
montanhas, serras, colinas, rios, desertos e cachoeiras, pássaros (sim,
eles ainda existem). Até mesmo a história, seja dos lugares ou das
pessoas que encontramos, acaba nos atraindo.

O português não fica de fora e nem limitado à leitura de algumas placas; viagem de moto
combina com histórias, contos, poesias, música e, claro, com o coração;
tudo inserido em longas conversas e não circunscritas a aulas, cadernos,
livros e horários.

Em uma viagem de moto também entramos em contato com nossos valores mais elevados.

Coisas como liberdade, respeito, responsabilidade, solidariedade, são sempre
presentes. Até mesmo nosso contato com o Criador é estimulado; nossa
mente viaja também, medita, contempla. Diante de todas estas
experiências olhamos para o dom maravilhoso que nos foi dado, a vida, e
para aquele que nos deu tudo isso e somos levados a dizer, ainda que sem
palavras: "muito obrigado".

Somos pequenos perante a força do Criador, mas grandes nos sentimentos propiciados pelas suas criações.
Somos motociclistas de viagem.

13/08/2011 - Dogma dos Motociclistas

Dogma dos Motociclistas

Guardem as suas imagens nas estradas e em lugares inimagináveis, como um certificado de quem vocês realmente são: irmãos de fé e destino, espiritualmente únicos.

Transformem esta rica ligação em momentos de amizade e cumplicidade a todo instante. Irão querer revivê-los muito, mas muito, um dia.

Não tenham pressa ao se encontrarem, tenham muita pressa em se encontrarem.

Saibam deixar um grande espaço na sua mente e coração para estes amigos, e pra outros que certamente virão.

Acreditem nos seus amigos, acreditem que o universo conspirou para que um dia estivessem juntos, e para sempre, como irmãos.

Acreditem que o acaso neste encontro somente traduziu na terra o que vocês já eram a muito no universo.

Acreditem muito em Deus e nas pessoas, mesmo que algumas delas os desafiem a provar o contrário.

Mantenham um mágico equilíbrio entre a razão e a emoção, mas se tiverem dúvida, sigam a emoção.

Não fiquem tristes e chorem por saudade dos irmãos que se foram, vivam com a alegria e emoção de todos os bons momentos compartilhados com eles.

Encontrem a paz consigo, mesmo que as coisas pareçam estar numa batalha.

Nunca digam nunca, e sempre digam sempre.

Acreditem piamente que as forças do universo conspiraram para que tivessem a mais emocionante experiência que podemos viver nele, a de compartilhar as nossas vidas com todos os irmãos motociclistas, nos caminhos cruzados por encontros e desencontros.


Autor: Reinaldo Brosler


29/05/2011 - COLETIVO DE MOTOS

1 piloto  de moto = um motociclista
2 pilotos de moto = um motociclista e um motoqueiro
3 pilotos de moto = um motoclube
4 pilotos de moto = um motoclube rachado com dois integrantes cada

1 motoboy       =   uma entrega realizada
2 motoboys      =   uma fila indiana
3 motoboys      =   um carro sem espelho retrovisor
4 motoboys      =   uma confusão depois de um acidente

1 motoqueiro    =   uma moto com escape aberto
2 motoqueiros   =   um racha no semáforo
3 motoqueiros   =   uma oficina fuleira
4 motoqueiros   =   uma fila numa blitz

1 motociclista  =   um cara que se acha
2 motociclistas =   dois caras que se acham
3 motociclistas =   uma discussão sobre qualquer assunto
4 motociclistas =   uma bebedeira

1 jaspeiro      =   um exibido
2 jaspeiros     =   um acelerando e um queimando pneu
3 jaspeiros     =   um vídeo no youtube
4 jaspeiros     =   uma vala comum

1 customzeiro   =   um caubói motorizado
2 customzeiros  =   uma dupla do Easy Rider
3 customzeiros  =   um encontro boca-livre na oficina
4 customzeiros  =   uma coleção de penteadeiras

1 trilheiro     =   uma moto imunda
2 trilheiros    =   um enduro
3 trilheiros    =   um atoleiro 
4 trilheiros    =   um resgate de helicóptero

1 harleyro      =   um novato impressionado
2 harleyros     =   uma fila no lava-motos
3 harleyros     =   uma compra conjunta de peças
4 harleyros     =   uma passeata na frente da Izzo!

Autor: Bressan - El Bando

25/12/2010 - VIAJAR DE MOTOCICLETA

"Viajar de motocicleta é uma experiência que, geralmente, fica guardada na nossa memória por muito tempo. As recordações parecem não nos deixar. Grudam na alma. É uma sensação única, não proporcionada por qualquer outro meio de transporte. A interação motociclista e motocicleta, ou homem e máquina, cria um estado mental diferenciado à medida que o pó da estrada vai entrando nos pulmões. Ninguém conseguirá explicar o porquê, mas algo muito estranho acontece na mente de quem enfrenta esse desafio delicioso de se arremeter pelas estradas sobre duas rodas. Nenhum motociclista duvidará de que essa experiência provoca alteração sutil em seu nível de percepção da realidade.
Acredito que os longos períodos de silêncio, somados a um intenso processo de atividade mental – decorrente do uso da atenção e da observação em níveis elevados - criam uma tensão inicial que, aos poucos, vai se transformando em relaxamento profundo. A mente relaxa, mas permanece alerta para qualquer manobra rápida. Basta um estímulo para a resposta vir ligeira e precisa. Um estado de inebriamento passa a nos envolver. Algo parecido com aquilo que os mestres taoístas chamam de “encontrar o silêncio na tempestade”.
Acrescente-se, também, que o vento, os odores, os sons, os detalhes da estrada e do ambiente ajudam a compor um território mental diferente, livre e convidativo às recordações e às emoções profundas. É comum alguma lembrança vir do nada, provocando risadas ou lágrimas dentro do capacete. Mais comum ainda é marejar os olhos diante das belezas do horizonte e dos cenários da natureza que nos cerca.
Os parceiros de viagem ficam ligados por gestos e não por palavras. É tão profunda a relação entre aqueles que compartilham do pó da estrada, que, geralmente, as amizades transformam-se em irmandades. O aumento da quantidade de motoclubes e de encontros de motociclistas pelo país reforçam a tese de que subir numa moto e pegar a estrada já se transformou em novo e emocionante estilo de vida da classe média brasileira."

16/06/2010 - CAPACETES

CAPACETES: Dicas para compra e uso.







Os fabricantes estão caprichando e sempre inovando na segurança e aparência, fabricando capacetes cada vez mais bonitos. Este item tão importante para a segurança “virou moda”.

Por que usá-lo? Simplesmente porque, num acidente, ele poderá salvar a sua vida!

O QUE DIZ A LEI?

CÓDIGO NACIONAL DE TRÂNSITO

Art. 54. Os condutores de motocicletas, motonetas e ciclomotores só poderão circular nas vias:
I - utilizando capacete de segurança, com viseira ou óculos protetores,

Art. 55. Os passageiros de motocicletas, motonetas e ciclomotores só poderão ser transportados:
I - utilizando capacete de segurança;

As autoridades de trânsito esclarecem que a infração por dirigir sem capacete ou usá-lo de maneira inadequada, determina a suspensão do direito de dirigir, independentemente da pontuação existente no prontuário do infrator.

Portanto, não há a necessidade de se atingir os “ vinte pontos ”, como pensam alguns.

COMO COMPRAR UM CAPACETE

- Alguns fabricantes e comerciantes “recomendam” que os capacetes devem ser substituídos após 5 anos de fabricação, mesmo não tendo sofrido nenhum choque. Isso é uma tremenda “malandragem” . Eles alegam “fadiga de material” para recomendar a troca. Não sei quanto à durabilidade dos feitos de Plástico Injetado (ABS), Kevlar, Fibra de Carbono, mas se os de fibra de vidro devem ser trocados a cada 5 anos, porque não recomendar também a troca das carrocerias dos carros feitas do mesmo material ? A maioria dos para-choques dos veículos atuais são feitos em plástico ABS injetado. Se depois de 5 anos esse material deixa de ser seguro, não seria o caso de se recomendar a troca dos para-choques também ? Não sou técnico no assunto, mas esse “prazo de validade” dos capacetes, é no mínimo muito estranho…

Consultando uma autoridade de trânsito em nossa cidade, fui informado que essa recomendação é descabida e não existe nenhuma exigência legal pois não consta em nenhuma resolução, portaria ou lei. Portanto se alguém alegar que seu capacete “está vencido” , desafie-o a provar onde está essa exigência.

- Algumas indústrias usam números, outros letras para diferenciar tamanhos. Para saber a medida ideal de seu capacete, proceda da seguinte forma :

Com uma fita métrica na altura de suas sobrancelhas e orelhas meça a circunferência de sua cabeça em centímetros.

Abaixo estão as medidas correspondentes.

55/56 cm NÚMERO 55/56 ou S
57/58 cm NÚMERO 57/58 ou M
59/60 cm NÚMERO 59/60 ou L
61/62 cm NÚMERO 61/62 ou XL

- Opte por um capacete que sirva justo mas que não aperte. Com o tempo de uso o interior do capacete irá “alargar” e se ajustar.

Capacetes largos tendem a sair do lugar em velocidade e podem colocar a sua segurança em risco.

Capacetes apertados, com o tempo vão causar dores que dificultam a sequencia da viagem.

Se seu capacete está incomodando na testa, por exemplo, localize a posição e pressione fortemente com o polegar a fim de “amassar” um pouco o Isopor, diminuindo a pressão. Pressionar o isopor com a parte externa de uma colher é uma boa alternativa. No caso de estar machucando na orelha, retire a forração até expor o Isopor, com a ajuda de uma faca ou canivete, aumente a área destinada a orelha, dos dois lados, e recoloque a forração.

As orelhas devem ficar livres de qualquer pressão sob o risco de dor intensa após algum tempo de uso. Lembre-se que também usando o capacete, por medida de segurança você deve “ouvir” o que se passa à sua volta.

- A higiene é importante no capacete. Dê preferência aos capacetes com forro removível. Lave-o com frequência. Imagine o que é usar a mesma roupa de baixo sem lavá-la durante um ano ou mais.

ESCOLHENDO E AJUSTANDO O CAPACETE
Você pode ter um capacete aberto para dar aquela voltinha na cidade, praia, recinto de encontros e atender à lei. Afinal, você também quer ser visto e reconhecido! Capacetes abertos são muito utilizados por proprietários de motos custom. Eles oferecem bem menos proteção que os capacetes fechados, é uma questão de escolha.

A Lei permite os capacetes abertos, desde que sejam homologados e utilizados com viseiras ou óculos de proteção.

Quando pegar a estrada, dê preferência a um capacete integral. Se você mesmo sabendo que é menos seguro, optar por um aberto, utilize uma viseira inteiriça, ao invés de óculos. Se a viseira for tipo “cristal” (translúcida), pode-se usar se for necessário um óculos de grau ou de sol por baixo. Preocupe-se bastante com a espessura do material da viseira. Ele deve ser o mais resistente possível. Um besouro, passarinho ou pedra mesmo pequenos a 100 -110 km/h fazem quase o mesmo efeito de um tiro de arma de fogo.

Alguns capacetes abertos, muito usados, não têm o selo do INMETRO, portanto de acordo com a lei, são proibidos e você estará sujeito à multa e apreensão da carteira, se o policial for rigoroso e agir como manda o código de trânsito .

O critério de escolha, deve ser em primeiro lugar pelo material de fabricação: Kevlar, Fibra de Carbono e Plástico Injetado(ABS) são teoricamente mais resistentes que Fibra de Vidro.

Acredito que simplesmente comprar um capacete homologado, com selo do INMETRO não seja suficiente. O controle de qualidade é também muito importante.

Leve em consideração o fabricante. Dê preferência ao produto de uma indústria bem conceituada no mercado e que tenha um nome a zelar.

Quando usar o capacete por tempo prolongado, principalmente em dias quentes, coloque uma bandana por baixo. Isso evitará que o suor escorra da testa para os olhos e também que o capacete fique com cheiro desagradável. Alguns molham a bandana nos dias de calor intenso, mas se não houver a possibilidade de secar o capacete após o uso, (deixá-lo ao sol, por exemplo) esta prática. é desaconselhada.

Cuide bem do seu capacete, evitando guardá-lo-lo em lugares úmidos, ou muito quentes e sem ventilação.

VISEIRAS
As viseiras devem ser mantidas limpas e sem arranhões. A viseira um pouco arranhada que você acha que dá para usar durante o dia, pode tirar sua visão e causar um acidente à noite. É muito desagradável descobrir quando escurecer que você não consegue enxergar nada quando cruza com a luz de um carro em sentido contrário.

O custo da substituição de uma viseira é irrisório considerando-se o prazer de pilotar e o benefício que ela traz à sua segurança.

TESTE A FIVELA / TRAVA DE FECHAMENTO
Após colocar o capacete e travar a cinta jugular, insira seu dedo entre o pescoço e ela e tente puxá-la para baixo. Se a fivela estiver bem fechada não deve se soltar em hipótese alguma. Uma fivela com defeito ou de material duvidoso pode romper-se em um acidente e o capacete pode sair da sua cabeça.

LIMPEZA
Para limpar o capacete, utilize uma flanela limpa e sabão neutro. É recomendável mantê-lo sempre encerado, pois em caso de queda, ele deslizará melhor no asfalto, pelo menos em um primeiro momento.

TROFÉU
É voz corrente entre os motociclistas mais antigos e experientes que após um tombo seu capacete deverá ser guardado como lembrança. Dizem até que “dá azar” continuar a usá-lo. Misticismo à parte, a verdade é que um capacete após o impacto, pode apresentar fissuras que muitas vezes não são visíveis. Encare-o como um troféu, ou um anjo da guarda que pode ter salvo sua vida, e reserve em sua estante um espaço de destaque para exibí-lo.

PORQUE USAR UM CAPACETE FECHADO ?
A foto, o texto e os dados abaixo, consegui em um site americano de motociclismo. O diagrama das áreas de impacto dos capacetes, é o resultado de um estudo sério, extenso e responsável, encomendado pelas autoridades de trânsito dos USA. Lá, segurança é assunto tratado por todos com muita responsabilidade.


Este é o capacete de um motociclista após ter sofrido uma queda. Ele safou-se, por estar usando um capacete fechado. Não sofreu nenhum dano no rosto. Se estivesse usando um capacete aberto, provavelmente seria incapaz de voltar para casa pilotando!


O diagrama acima mostra as áreas de impacto em capacetes nos acidentes de motos. Note que 35% de todas as pancadas e raspadas, foram na área do queixo. Isso significa que se você estiver pilotando com um capacete aberto (sem a “queixeira) esteja ciente que sua cabeça terá apenas 65% da proteção que poderia ter.

E pior ainda: se você estiver usando um capacete tipo “coquinho” ou um de modelo “nazista”, você estará tendo sòmente 39% da proteção que poderia ter. Você estará literalmente “jogando fora” 61% da proteção que teria se estivesse usando um capacete fechado.

Usar um capacete “genérico” ou não homologado, só prá enganar o guarda é o tipo de “malandragem” que não compensa.

Quanto à você não sei, mas minha cabeça é um bem muito precioso…

A escolha é sua. A cabeça é sua. A vida é sua.

Fonte: www.twisteronline.com.br




16/05/2010 - 40 MOTIVOS

1 – Motos não ficam grávidas.

2 – Você pode andar de moto qualquer dia do mês.
3 – Motos não têm parentes.
4 – Motos não ficam lamentando, a menos que alguma coisa esteja realmente errada.
5 – Você pode trocar de moto com seus amigos.
6 – Motos não se preocupam com quantas outras motos você já andou antes.
7 – Viajando, você e a moto sempre chegam juntos.
8 – Motos não perguntam quantas outras motos você tem.
9 – Você pode olhar a moto dos outros.
10 – Você pode comprar revistas de moto.
11 – Você nunca vai escutar: – Surpresa você vai ter uma nova moto!
12 – Se sua moto está frouxa, você pode consertar.
13 – Você pode contar para as mulheres os bons momentos que passou em companhia da sua moto.
14 – Sua moto nunca fica embaraçada de andar pelada em público.
15 – Você pode ter uma moto colorida e ainda assim mostrar ela para os seus pais.
16 – Você não precisa brigar com o cara que meche na sua moto.
17 – Se você gritar com a sua moto, não precisa pedir desculpa antes de ligar ela de novo.
18 – Você pode andar de moto o tanto que quiser.
19 – Você pode parar de andar de moto na hora que quiser.
20 – Seus parentes não ficam falando da sua velha moto depois que você se desfaz dela.
21 – Motos não têm dor de cabeça.
22 – Motos não reclamam se você for um mau piloto.
23 – Sua moto nunca quer uma noite fora com outras motos.
24 – Motos não reclamam se você está atrasado.
25 – Você não precisa tomar banho antes de andar de moto.
26 – Motos não querem saber quanto dinheiro você tem.
27 – Você pode andar de moto na primeira vez que vê ela, sem ter que chamar para jantar.
28 – A única proteção que você precisa para andar de moto é o capacete.
31 – Você só precisa alimentar sua moto se for usar ela.
32 – Um relacionamento difícil com sua moto é realmente divertido.
33 – Você não precisa lembrar o aniversário da sua moto ou o dia do primeiro encontro.
34 – Motos ligam somente quando você liga.
35 – Depois de um bom rolé de moto você pode imediatamente andar de moto de novo.
36 – Há um monte de motos novas para escolher a cada ano.
37 – Você não precisa comprar um carro para ter uma moto.
38 – Motos são fáceis de comprar.
39 – Motos peladas sempre são maravilhosas – mesmo com a luz acesa.
40 – Sua moto não quer andar na garupa da sua mulher.

25/02/2010 - QUANDO A MOTO ABRE PORTAS

Quando a moto abre portas

Ricardo Nogueira, headhunter paulistano, fez uma descoberta: a motocicleta
pode revelar muito sobre o profissional a ser contratado.

Texto: M. Barthô - Ilustração: Ricardo Sá
Há cerca de dez anos, o paulistano Ricardo Nogueira, 44 anos, um caçador de talentos profissionais (um 'headhunter', ou 'caçador de cabeças'), descobriu uma pérola: uma boa motocicleta pode ajudar a abrir as portas das grandes companhias e dos melhores empregos. Sim: isso acontece no restrito meio por onde gravitam os altos executivos.

Se não abre a porta, a moto dá um belo empurrão. 'A motocicleta faz a diferença', diz Nogueira. 'E isso acontece tanto na hora de contratar como de ser contratado.'

Segundo esse caçador de profissionais, que agregou a descoberta a seu trabalho, a motocicleta motiva o bate-papo, aproxima as pessoas e revela detalhes preciosos sobre o caráter de seu dono.

Isso é uma inversão de valores radical. Os cinquentões de plantão com certeza se recordam dos áureos tempos do pátio interno do Parque

Ibirapuera, nos anos setenta. Na época, as grandes motocicletas importadas eram consideradas uns 'brinquedões' de playboys endinheirados.

Eram, mas não são mais. Atualmente, possuir uma grande motocicleta significa ter nas mãos um símbolo de status e de conquista pessoal. E isso só acontece -- tirando as exceções -- graças ao avanço profissional.

Atualmente, uma Harley-Davidson ou uma BMW podem determinar a escolha do executivo. Exagero? Nem tanto. Quem trabalha recolocando executivos pensa o contrário. 'Sem a menor sombra de dúvida, essas máquinas ajudam a abrir as portas de grandes corporações', afirma o headhunter Ricardo Nogueira.

Ele ousa avançar em sua tese: 'Se o cão é a cara do dono, com as motos se dá o mesmo', compara. 'Pode reparar: a moto, ou até mesmo os carros, têm a cara do dono. E vice-versa.'

Será verdade? Atualmente, o headhunter tem uma superesportiva Yamaha R1. Seu carro é um Hyundai Santa Fé. Ou seja, de acordo com a cartilha que desenvolveu, seu perfil mescla altas doses de arrojo e adrenalina com conforto e estabilidade.

Suas 'presas' podem ser tanto homens quanto mulheres executivas. Sim, mulheres. De uns anos pra cá, elas estão cada vez mais apegadas às grandes motocicletas. Aquela garota que pilota uma grande superesportiva é chamada por Nogueira de 'mulher gato'. 'Essas mulheres pertencem à nova safra de executivas. São casadas ou namoram com executivos e profissionais liberais que têm sua motocicleta. Elas acompanham a onda, os namorados, saem nas baladas estradeiras e deixam muito marmanjo de boca aberta...', diz.

Isso explicado, vamos ao que interessa.

Na mesa ou na garagem
De cara, quem pilota uma boa motocicleta e sua tocada tem a preferência do headhunter nessa abordagem profissional. Quando sai à caça de profissionais, Nogueira busca detalhes para descobrir indícios que registrem a presença de duas rodas. 'Uma simples miniatura sobre a mesa do escritório já é um sinal revelador. Com certeza, ali está um profissional que possui um diferencial, e já sei como abordá-lo. Não há como errar', diz.

Para o lado da empresa que está buscando um profissional, a moto também é um um fator positivo. Sua presença quebra -- ou acelera -- várias etapas no relacionamento das partes, especialmente nos primeiros momentos. 'As motocicletas 'derrubam' as paredes de algumas organizações', argumenta o profissional.

No entanto, o processo não é assim tão simples. A moto, sua marca, cilindrada ou característica não revelam o retrato acabado do profissional. Dão apenas alguns sinais, que devem ser interpretados -- e aí entra o talento do headhunter.

'O presidente de uma grande empresa , por exemplo, pode ter uma impecável e luxuosa BMW. Mas ele também pode surgir de repente no meio do mato pilotando uma trail toda enlameada. Por que não?'

Certo mesmo é que o motociclista é mais enturmado, participa de encontros ou reuniões, frequenta 'points' diferenciados e é apegado à uma marca, estilo ou tribo.

Nogueira explica que há algumas certezas. Na maioria das vezes, o profissional que é proprietário de uma motocicleta pode ser um executivo formal, que fica no escritório durante a semana, com a foto de sua família sobre a mesa de trabalho. Mas que, no primeiro final de semana ensolarado, poderá ser encontrado trajado como um piloto, numa curva de estrada acelerando esportivamente sua Honda Fireblade. 'A motocicleta é o oxigênio que esse engravato respira no fim de semana.'

Segundo o headhunter, o fato do executivo ter uma moto também pode revelar que ele gosta de sair com os amigos. Assim, não é um ser individualista. 'Quer dizer, ele chegou ao topo e conquistou seu objeto de desejo, mas está enturmado com outros profissionais do mesmo nível. Isso é um ótimo sinal.'

Outro detalhe descoberto é que o executivo-motociclista fica bem mais à vontade nas entrevistas. 'Basta tocar no assunto motocicleta que o papo já muda', revela o headhunter. No entanto, ele faz um alerta: em todos os casos citados acima, há excessões. Por isso, ensina, nunca se deve incluir apenas a moto como indício do perfil do profissional. A motocicleta ajuda a definir o perfil e algumas características do executivo, mas ela é apenas uma grande aliada.

Nogueira revela que, deixando as motocicletas, carros, jipes etc de lado, o profissional buscado pelo headhunter precisa se destacar em três aspectos básicos: ser atualizado e bem informado em vários campos, que abrangem desde tecnologias até o mercado financeiro; ter vários 'gols' (conquistas) registrados em sua carreira; e possuir um carisma destacado, autocontrole e liderança naturais.

Aqui, ele compara duas e quatro rodas. 'O contrário do que as motos indicam ocorre com os carros. O dono de uma Mercedes-Benz topo de linha nem tira sua 'merça' da garagem se estiver garoando. Ele sempre estará perfumado e com o cabelo engomado. Seu lazer habitual não é feito em turminhas ou baladas aventureiras, mas fica mais restrito à família, poucos amigos ou encontros formais e sociais em clubes fechados.'

Quando se trata de fazer a análise inicial a partir do carro, a questão fica menos complicada. 'O carro é mais fácil para se delinear o perfil de seu dono. Só de você olhar para o carro, já dá pra tirar um perfil imediato de seu proprietário', afirma.

Enfim, com sua fórmula mágica, Nogueira já colocou ou reposicionou vários executivos em grandes empresas. 'Modéstia a parte, nunca errei. Os profissionais que conquisto chegam, inclusive a ultrapassar as expectativas!', conclui. Evidentemente, ele agrega a isso seu talento natural de public relations, muitos contatos e uma boa dose de experiência.

08/02/2010 - HISTÓRIA SOBRE NÓS MOTOCICLISTAS



Há algum tempo atrás um pai me disse que gastou muito tempo falando de histórias sobre nós, motociclistas, mas, para ser honesto, eu nunca prestei muita atenção. Então, como ele era muito cabeça dura, ele me fez conhecer todos tipos de motociclistas, um por um: .... “vestindo aquelas roupas, aqueles capacetes coloridos, vocês pareciam realmente durões” disse. 
Mas uma vez que as viseiras e óculos eram levantados, todos tinham olhos bonitos, limpos e cheios de vida; olhos onde você poderia se perder neles, chegar em suas almas e ver quão pura elas são.















 




Tirando suas roupas especiais, e, no final do dia, você veria que eles cresceram.... como crianças, nada mais que isso.



Eles gostam da vida, carnes, cerveja e 'tira gosto' (pra não escrever lingüiça ou salsicha) e ainda procurando pela mãe, quando as coisas dão errado. Tem gente que diz que quando montamos em nossas motos, anjos e demônios vão conosco!  Pode ser até verdade, é um tipo de dualismo que faz esse estilo de vida ser tão rico em emoções, que fazem seu coração bater mais rápido, parecendo que vai sair pelo peito a qualquer momento.
Demônios fazem você acelerar, irracionais e violentas aceleradas, na hora que a adrenalina corre direto para seu cérebro e você fica tremendo por vários minutos. Anjos que carregam com eles a face a as vozes de quem não está mais conosco; vozes da experiência por vezes forjada situações desagradáveis.

Sim é verdade que você pode até morrer pilotando uma moto; isso pode acontecer com qualquer um de nós.... isso machuca... REALMENTE MACHUCA. Mas nada se compara à quantidade e qualidade de vida que torna isso em lembranças fantásticas, em 'flashes' que duram uma eternidade de lembranças, aquelas risadas altas e profundas que vêm do coração, tão altas que fazem a gente ver o sol brilhar num dia nublado.

Converse com qualquer um de nós, peça-nos para dizer sobre uma história de nossos últimos 'passeios', alguma curva da estrada de sua montanha preferida e você se perderá naqueles olhos sorridentes, naquele sorriso natural que gradualmente se espalha pelo rosto inteiro. Converse com qualquer um de nós, pergunte como a vida seria se algum dia tivéssemos de desistir de nossa paixão e, tudo que você irá escutar é o som do silêncio, você verá que aquele rosto sorridente do 'garoto' ficará vazio como um pássaro com a asa quebrada.



Sim, você pode machucar-se fisicamente, mas acredite, não há melhor jeito de se viver o pouco tempo que nos é dado! E se você não entendeu nada até agora, não se preocupe, você nunca entenderá! Mas se um dia você estiver na estrada, na segurança de seu carro, e UM DE NOS passar vagarosamente, você verá que seu filho, sentado no banco de trás, de repente virar a cabeça, acenando empolgado, não tente entender seu filho também.
Seu filho, com toda sua inocência, vê em nós uma centelha de algo que você nunca reparou!


E o motociclista acenará também, não há nada de errado e você sabe que...


Anjos na terra se cumprimentam!


MOTOCICLISTAS, UM BANDO DE GRANDES E ESTRANHOS CARAS FELIZES EM SER MOTOCICLISTAS!

08/02/2010 - Pilotagem com Segurança para Novatos

O crescimento do motociclismo e suas implicações:
A cada dia que passa tem aumentado o volume de motocicletas em nossas ruas e por conseqüência tem aumentado também o numero de acidentes com as motocicletas.
Um dos motivos da elevada ocorrência de acidentes com as motocicletas em nosso país é a falta de uma cultura consolidada no uso da motocicleta.
Movidos pela necessidade de transporte eficiente e de baixo custo, muitos jovens compram suas motocicletas sem saber exatamente o que é uma motocicleta e sem saber que terão em suas mãos um veiculo extremamente perigoso, quando não utilizado de forma adequada.

A motocicleta  é perigosa:
Essa é a dica mais importante para quem vai passar a utilizar uma motocicleta. Nunca subestime essa característica. Não se deve subir em uma motocicleta sem ter a consciência que se trata realmente de um veiculo perigoso e que nos expõe a um volume muito grande de riscos. Por menor que seja o acidente é impossível não ocorrerem conseqüências mais sérias.

Motocicleta não é automóvel:
A motocicleta não oferece a mesma segurança que um veiculo de quatro rodas que se sustenta sozinho, onde os ocupantes estão protegidos pela carroceria. Estudos demonstram que pilotar motocicletas exige maiores habilidades do que conduzir automóveis. Nunca é demais ressaltar que a motocicleta não fica de pé sozinha e sua tendência natural é cair.

Os Comandos:
Se você já dirige automóvel e vai pilotar uma moto pela primeira vez procure se familiarizar com todos os comandos. Os comandos da motocicleta são totalmente diferentes dos automóveis, as atividades realizadas com os pés e as mãos são diferentes, portanto nosso cérebro demora certo tempo para se adaptar. Já vi muitos acidentes com jovens motociclistas que não conseguiram parar a moto simplesmente porque “esqueceram” de usar o freio dianteiro pelo fato de seu acionamento ser feito  pela mão.

A manutenção da motocicleta:
Os componentes mecânicos da motocicleta têm uma ação muito mais direta e importante na condução do veiculo. Não utilize sua motocicleta sem os devidos cuidados com a manutenção preventiva. Especialmente nunca utilize sua motocicleta quando os freios ou pneus não estiverem em condições excepcionalmente adequadas.

A Carteira de Habilitação:
De posse da carteira de habilitação os jovens motociclistas acreditam que já estão totalmente aptos para pilotar, isso é um grande engano, em geral as auto-escolas não ensinam a pilotar, elas apenas ensinam como passar no exame.

Ganhando experiência:
Pelo fato da maior dificuldade de se conduzir uma motocicleta, antes de começar a usá-la rotineiramente no transito pesado, é aconselhável que se pratique bastante em locais seguros com transito mais tranqüilo. Apenas enfrente o transito pesado após se familiarizar bastante com a condução da motocicleta, ou seja, não utilize a motocicleta rotineiramente se não tiver bastante experiência e acima de tudo se não se sentir seguro para isso.

Pilotando com garupa:
A motocicleta é um veiculo proporcionalmente bem mais leve que os automóveis, portanto o peso transportado tem uma influencia muito maior na sua condução. Só passe a transportar garupa quando já tiver adquirido boa experiência na pilotagem. O peso adicional da garupa altera totalmente a dinâmica da motocicleta e exige muito mais dos componentes mecânicos, em especial freio, pneus e suspensão. Já vi muitos acidentes onde o piloto não conseguiu parar a tempo a motocicleta por nunca ter andado com garupa.

Pilote de forma tranqüila:
Em virtude dos altos riscos, a pilotagem da motocicleta não permite margens para erros, pois eles sempre serão fatais. Então se acostume a pilotar de forma compenetrada, fique sempre “focado” na pilotagem. Procure não desviar sua atenção e acima de tudo pilote de forma tranqüila, os mais corriqueiros acidentes ocorrem porque perdemos nossa concentração por estar preocupado com alguma outra coisa. Programe sempre seus horários, nunca saia atrasado para seus compromissos, pilotar com pressa e preocupado são uma formula perfeita para se evolver em acidentes. Aqui vale a “Lei de Murphy”, se alguma coisa pode dar errado, com certeza vai dar. 

Pilote de forma preventiva:
Procure pilotar tentando prever todas suas ações futuras. Procure sempre imaginar o “cenário” futuro de sua rota. Procure pilotar tentando interpretar as ações de todos fatores que compõe a sua rota.
Procure sempre visualizar o mais a frente possível. Aprenda a “enxergar” prováveis situações de risco como um cachorro caminhando na calçada ou acostamento e a qualquer momento pode entrar na pista, ou de um veiculo encostado cujo motorista esta prestes a abrir a porta e fechar sua rota, etc. Somente a pilotagem de forma preventiva pode realmente diminuir os riscos de acidentes.

Respeite sempre as regras de transito:
Parece besteira, mas lembre-se que toda a dinâmica no transito se baseia em regras que definem a participação de cada um nesse processo. Em geral os outros motoristas executam suas ações baseadas nas regras existentes, quando desvirtuamos essas regras aumenta muito o risco de nos envolver em acidentes.

Os motoristas não “enxergam” as motocicletas:
Estudos demonstram que a maioria dos motoristas em geral acaba condicionando seu cérebro a “enxergar” somente os veículos grandes como automóveis, caminhonetes, caminhões e ônibus. Muitos acidentes são causados porque os motoristas não conseguiram perceber a presença de animais, pedestres, ciclistas ou motociclistas. Evite sempre transitar e ultrapassar pela direita dos veículos.  Mantenha sempre o farol aceso. Use roupas coloridas e com faixas refletivas.

Não confie nos outros motoristas:
Imagine sempre que os outros condutores não estão vendo você, imagine que eles a qualquer momento vão cometer erros. Preste muita atenção nos cruzamentos, mesmo que a preferencial seja sua, reduza a velocidade e cruze com cuidado. Lembre-se que em caso de acidentes envolvendo a motocicleta e um automóvel, não importa quem esteja com a razão, os motociclistas sempre serão os maiores prejudicados.

Equipamentos de segurança:
Se você optou em comprar e utilizar uma motocicleta tem que tem consciência que é um veiculo que exige para sua utilização o uso de vestimenta adequada.  Capacete, jaqueta adequada, sapato ou bota resistentes são itens imprescindíveis. Não pilote sua motocicleta sem estar utilizando equipamentos mínimos de segurança. Esqueça o romantismo, a questão cultural e a questão climática, saiba que pilotar a motocicleta usando camiseta, bermuda ou chinelo é um ato de altíssimo risco.

Conhecendo os pisos:
Como a motocicleta depende do equilíbrio para não cair, a condição do piso é muito importante para a pilotagem com segurança. Aprenda a visualizar todos tipos de perigo que você pode encontrar nos pisos como: locais molhados, areia na pista, óleo na pista, calçamentos de pedra, faixa brancas de sinalização, etc. Procure transitar nas faixas de rodagem dos pneus dos automóveis, evite as laterais da pista, pois normalmente é onde a areia fica depositada, e evite o centro da pista, pois normalmente existe o respingo de óleo dos motores dos veículos.

Pilotando com chuva:
Para o motociclista a chuva é um acontecimento que tem uma influencia muito grande, ela altera totalmente as condições de pilotagem. Devemos redobrar todos os aspectos com a segurança na pilotagem com chuva. Os pneus e freios perdem boa parte de sua eficiência, o piso fica escorregadio, a visibilidade diminui e muitas outras dificuldades acontecem. Em condição de chuva reduza a velocidade e procure pilotar com muito mais cuidado e atenção.

Excesso de confiança:
Aprenda a controlar sua adrenalina e suas emoções, preserve sempre suas habilidades, não basta pilotar bem, é necessário conseguir distinguir com clareza todas as situações de risco. Normalmente após algum tempo pilotando motocicletas sentimo-nos mais à vontade e seguros e então “baixamos a guarda”, quando isso acontece os acidentes são inevitáveis.

Respeite a motocicleta e os seus limites:
Se você pilotar respeitando a características especiais da motocicleta e acima de tudo respeitando seus próprios limites, alem de ter em suas mão um excelente meio de transporte terá um veiculo que poderá proporcionar diversas alegrias por muitos e muitos anos.

Tomás André dos Santos – tasmotos
www.tasnaweb.com


Fonte:

Primeiro Anterior Proximo Ultimo

  Conteúdo 11 até 20 de 60